A exumação do padre socialista vingado começa em Valladolid, em meio a alvoroço pela nova “Lei do Acordo” dos partidos PP e Vox | Espanha


“Aqui terminam os prazeres e os gostos e começa a vida dos justos. O ano de 1877”, diz uma placa entre os ciprestes recortados. Ela coroa a entrada do cemitério de Mojados (Valladolid, 3.300 habitantes), onde os familiares de Pedro de la Casa queriam para enterrar com dignidade seus antepassados, e foram vingados em agosto de 1936. Foram sepultados sem identificação em um terreno vizinho. À esquerda do cemitério, repleto de nichos com inscrições, flores e decorações, uma ampliação recente foi foi aberto para acomodar mais sepulturas. À sua direita há um pequeno terreno cheio de arbustos e lixo, e abaixo dele estão os restos mortais do padre socialista. Alguns militantes da Falange o penduraram em um pinheiro. Seu corpo acabou enterrado sem honra no anexo civil do cemitério local. A sua família solicitou a exumação dos seus restos mortais e os trabalhos começaram, coincidentemente, uma semana depois de tomarem conhecimento da polémica “Lei da Harmonia” planeada pela Junta Castelhano-León, pelo Partido Popular e pelo Vox , que substituiria o decreto Memória histórica em vigor desde 2018.

Dois trabalhadores cavam o terreno onde se sabe que Pedro de la Casa está enterrado. Emílio Friel

Dezenas de voluntários da Associação para a Restauração da Memória Histórica (ARMH) trabalham no terreno quase deserto, protegido por quatro paredes de tijolos desgastados e uma cerca enferrujada. Documentos e memórias dos seus descendentes revelam que Pedro, que tinha 48 anos quando sofreu retaliações de alguns extremistas de direita que sabiam das suas ligações socialistas, foi enterrado naquele local, sem qualquer identificação. Os homens armados o prenderam enquanto colhia grão de bico com as filhas, semanas depois de ele ter sido espancado. Eles então o penduraram em um pinheiro e jogaram o corpo no terreno onde os ativistas da ARMH estão cavando e limpando na terça-feira, 88 anos depois. Pás, picaretas e colheres avançam sobre toneladas de terra, e entre elas encontram alguns restos dos primeiros ossos, embora não sejam de Pedro: parecem infantis, pois ali enterravam crianças mortas sem serem batizadas, destinadas ao esquecimento.

Marco Antonio González, vice-presidente do grupo, assiste à apresentação mediática, convocada pela homenagem que coincide com a proposta da “Lei do Acordo” aprovada pelo Partido Popular e Vox no Conselho de Castela e Leão. “Com as novas regulamentações estaremos a portas fechadas, sem poder dizer nada sobre a vítima ou os perpetradores”, explica González, porque o artigo 4.4 do projeto de lei exige “proteção de dados” para evitar denúncias de criminosos e pessoas sujeitas a retaliação. Ou tire fotos ou vídeos informativos. “Estamos descobrindo uma verdade incômoda escondida sob toneladas de sujeira”, observa o funcionário da ARMH, que está confiante de que o padre será encontrado esta semana. Gonzalez indigna-se porque o texto do Concílio não se refere à ditadura e não condena o franquismo, além de estender o seu período de aplicação até 1931, estendendo-o assim até os anos da Segunda República. O período anterior estudado pelo Decreto de Memória Histórica aprovado pelo Partido Popular em 2018 iniciou-se diretamente no ano de 1936, data do golpe contra o governo Democrático Republicano.

Oscar Rodriguez e Marco Antonio Gonzalez, da Associação para a Restauração da Memória Histórica, falam sobre o Cemitério dos Mojados.
Oscar Rodriguez e Marco Antonio Gonzalez, da Associação para a Restauração da Memória Histórica, falam sobre o Cemitério dos Mojados.Emílio Friel

A filha de Pedro de la Casa pediu várias vezes a exumação do corpo, mas sem sucesso. Ele morreu sem vê-la. Seu filho, neto da vítima, afirmou isso, mas se recusou a ajudar por causa do barulho, principalmente em cidades propensas ao silêncio e ao esquecimento. Muitos transeuntes nas estradas próximas ao cemitério ficam surpresos com o barulho, todos desconhecendo o processo de exumação. Ficamos surpresos por não ver nenhum obituário e voltamos para a bicicleta quando o assunto é tocado; Casemiro Encinas, 71 anos, lembra que houve muitas famílias em Mojados que “perderam filhos ou maridos” e apoia “tudo o que é bom para as pessoas que morreram sem culpa”. Virgilio Toquero, 76 anos, ressalta que “nunca se falou nisso” e cita diversas repressões na região: “Mataram um primo da minha mulher, ele vinha da tosquia e deram dicas”. “Ela estava brincando de verdade e me parece bastante incomum”, comemorou. Usando picaretas e pás, os ativistas voluntários continuam a remover baldes de terra em série, formando uma pilha crescente em frente às paredes abandonadas. A poucos metros de distância, na nova extensão do cemitério, há uma placa oficial que diz: “A Câmara de Castela e Leão investe aqui”.

O que mais afeta é o que acontece mais próximo. Para não perder nada, inscreva-se.

Participar

Inscreva-se para continuar lendo

Leia sem limites

_



..

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *