Israel entra em Rafah com forças e controla a fronteira de Gaza com o Egito internacional

[ad_1]

Os panfletos lançados por Israel em Gaza na segunda-feira incluíam várias mensagens ameaçando os residentes de Rafah (sul de Gaza) a evacuarem os seus locais de residência. Uma delas era: “Avisamos para não se aproximarem das muralhas leste e sul”. Esse muro, ou cerca, é o que define o perímetro da Faixa nas suas fronteiras com Israel (leste) e Egito (sul), e a partir daí na madrugada de terça-feira, coincidindo com a entrada do oitavo mês da guerra, e o o exército lançou uma operação terrestre que as autoridades anunciaram há semanas, no meio da pressão internacional para não o fazer.

A União Europeia e o Egito criticaram imediatamente este ataque, mas não o presidente dos EUA, Joe Biden, que apoiou o seu aliado. Por enquanto, o exército não lançou uma varredura de casa em casa, com sangue e fogo, como fez em outras cidades da Faixa durante o conflito, apesar de controlar a passagem estratégica de Rafah, que afirma ter sido usada pelos “terroristas” do Hamas.

O ataque, que envolveu agentes do Shin Bet (o serviço de segurança interna israelita) e apoio da aviação, centrou-se em ataques “específicos” e em “áreas limitadas” a leste de Rafah para tentar reduzir a presença. Membro da milícia filiada ao grupo fundamentalista, segundo fontes militares. É provável que cerca de vinte deles tenham morrido durante a noite, enquanto a infra-estrutura do grupo, tanto a nível dos edifícios como no subsolo, foi destruída.

Antes do amanhecer, alguns meios de comunicação do lado egípcio mostraram o contínuo bombardeamento israelita da cidade de Rafah, onde se reúnem cerca de 1,5 milhões de pessoas, ou seja, mais de metade da população de Gaza. As Nações Unidas alertam que as duas principais passagens para ajuda humanitária, a passagem de Rafah e a passagem de Kerem Shalom, estão actualmente fechadas. Com este duplo cerco, “Israel está a conduzir a região para o desastre e continua a sua política de fome e perseguição aos palestinianos”, denunciou o Hamas num comunicado no qual acusou Israel de sabotar as negociações para chegar a uma trégua. As autoridades sanitárias da Faixa de Gaza acrescentam que existem milhares de casos de doentes e feridos que não podem ser evacuados para o Egipto para receber tratamento.

Cadastre-se no EL PAÍS para acompanhar todas as novidades e ler sem limites.

Participar

“O objetivo da proposta do Hamas ontem era explodir a entrada de nossas forças em Rafah. Isso não aconteceu”, disse o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na terça-feira, em uma declaração gravada em vídeo. Israel lançou esta operação pouco depois de meia hora. conversa telefónica entre Biden e Netanyahu Na segunda-feira, há horas, o Hamas aceitou a proposta de plano de paz negociada com o Qatar e o Egito, que o presidente israelita ainda considera insuficiente.

O Presidente dos EUA abordou o primeiro-ministro israelita durante um discurso que proferiu no Capitólio em memória das vítimas do Holocausto. O meu compromisso com a segurança do povo judeu e com a segurança de Israel e o seu direito de existir como um Estado judeu independente é inabalável. Biden também enfatizou quando discordamos Macarena Vidal Lee.

Netanyahu dirigiu-se também à delegação que enviou ao Cairo para tentar salvar a trégua: “Continuar a insistir nas condições necessárias para a libertação dos nossos reféns. “Eles continuaram a insistir fortemente nas exigências necessárias para garantir a segurança de Israel.” Ao mesmo tempo, continuamos a guerra contra o Hamas. Ele acrescentou na sua mensagem: “A tomada da passagem de Rafah hoje é um passo muito importante, um passo importante no caminho para a destruição do Hamas”.

Através deste último movimento dos seus homens no terreno, o líder israelita quer provar que, independentemente das advertências do seu aliado americano ou do resto da comunidade internacional, é ele quem está no comando do conflito e é quem quem está tomando as decisões finais. .

Na segunda-feira, as autoridades israelitas lançaram uma operação para evacuar dezenas de milhares de habitantes de Gaza dos bairros onde se refugiaram ou dos seus locais de residência, por serem doravante considerados zonas de combate. Eles os incentivam a se mudarem para nordeste, para uma área de acampamento chamada Al-Mawasi, perto da costa do Mediterrâneo.

Imagens de veículos blindados israelenses circulando pelas instalações de passagem de Rafah e a bandeira nacional israelense hasteada no mastro como um novo símbolo da ocupação tentam definir a linha de ataque que o setor de extrema direita no governo procura impor a Netanyahu, que está contando com vários de seus ministros para não cair. Perante esta máquina de guerra, as vozes das famílias dos mais de 100 reféns – muitos deles já mortos – que permanecem cativos na Faixa e que exigem que o acordo que abre a porta à sua libertação tenha a máxima prioridade. .

Ajuda humanitária

Um porta-voz do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) de Genebra denunciou numa conferência de imprensa que “as duas principais artérias para a entrega de ajuda a Gaza estão actualmente bloqueadas”, lembrando que as agências da ONU têm reservas muito baixas dentro da Palestina. enclave. “Se o combustível não chegar durante um longo período de tempo, seria uma forma muito eficaz de enterrar a operação humanitária”, acrescenta Lark, que denuncia também que as autoridades israelitas já tinham impedido anteriormente a presença da agência na passagem de Rafah.

Rafah é o único ponto que dá acesso da Faixa Palestina ao vizinho Egito. Até agora, esta tem sido a única forma de os habitantes de Gaza, incluindo os feridos, saírem da guerra e, ao mesmo tempo, um dos poucos pontos através dos quais Israel permite a ajuda humanitária. Desde o passado dia 7 de outubro, entre 80.000 e 100.000 pessoas conseguiram fugir da Faixa de Gaza através desta passagem, segundo a Autoridade Nacional Palestiniana.

As autoridades sanitárias de Gaza afirmaram num comunicado: “Apelamos aos países que se comprometeram e solicitaram listas de doentes e feridos para que cumpram as suas promessas e trabalhem urgentemente para que possam viajar”. Salientaram que “o encerramento da passagem de Rafah impediu a entrada de camiões com medicamentos, equipamento médico e combustível necessário para os hospitais”.

Dezenas de caminhões carregados com ajuda humanitária esperam na passagem de fronteira de Rafah, entre o Egito e Gaza, na terça-feira.
Dezenas de caminhões carregados com ajuda humanitária esperam na passagem de fronteira de Rafah, entre o Egito e Gaza, na terça-feira.Anatólia (Anatólia via Getty Images)

A passagem de Rafah é também uma rota essencial para a ajuda humanitária, embora tenha estado sempre sob o controlo das autoridades israelitas, de onde quer que venha. O seu encerramento junta-se ao encerramento de outra passagem por onde também fluiu alguma ajuda, que é a passagem Kerem Shalom. Lá, um ataque do Hamas no domingo matou quatro militares israelenses, que mantiveram as instalações fechadas desde então.

As duas travessias estão separadas por alguns quilómetros e, portanto, o local de onde entraram os tanques israelitas na madrugada de terça-feira é um ponto estratégico para a operação que o Estado judeu pretende realizar. Israel coloca as restantes brigadas do Hamas em Rafah, e também teme que a maioria dos reféns tenha sido transferida para aquela cidade e arredores, que é a única área que foi libertada até agora da ocupação de terras.

Entretanto, o homem mais procurado em toda a Faixa continua a ser Yahya Sinwar, o principal comandante do Hamas na Faixa, a quem Israel acusa de ser o mentor do ataque de 7 de Outubro que deu início ao conflito. Não foram revelados dados que o coloquem fora do setor. As forças de ocupação perseguiram-na várias vezes, segundo a mídia israelense local, mas não tiveram sucesso. Eles também continuam a ser considerados um interveniente fundamental nas negociações e recebem um papel fundamental nas decisões finais que o Hamas acaba por tomar, como um potencial cessar-fogo.

Acompanhe todas as informações internacionais sobre Facebook E éou em Nosso boletim informativo semanal.

Inscreva-se para continuar lendo

Leia sem limites

_



[ad_2]

..

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *