Morte de Manuel Ruiz de Lopera, líder supremo do Betis entre 1992 e 2010 | Futebol | Esportes


Manuel Ruiz de Lobera, dirigente máximo do Betis entre 1992 e 2010, morreu em Sevilha aos 79 anos, vítima de uma grave doença intestinal. O empresário andaluz, internado há semanas na unidade de cuidados intensivos, não conseguiu recuperar depois de ter sido submetido a uma cirurgia para resolver uma obstrução no cólon, que já o tinha afectado no início de Janeiro, e por isso permaneceu no hospital. hospital desde o dia anterior. 9 de fevereiro.

Morreu uma das figuras mais importantes da história do Betis e do futebol espanhol. Lobera fez parte de um cenário futebolístico inesquecível ao lado de presidentes como Jesús Gil, do Atlético, José Luis Núñez, do Barcelona, ​​​​José María Cañeda, de Compostela, Ramon Mendoza e Lorenzo Sanz do Real Madrid, ou Luis Cuervas e José María del Nido . Em Sevilha. Com ele, o Betis conquistou a Copa del Rey em 2005 e o vice-campeonato em 1997. Disputou a Liga dos Campeões na temporada 2005-06 e a Copa da UEFA nas temporadas 1995-96 e 1998-99. 2002–03 e 2005–06, além da Taça dos Vencedores das Taças na temporada 1997–98.

Durante a extensa gestão de Lobera (18 anos como presidente do clube) foi um dos principais campeões. Exerceu o controle do clube de Sevilha de uma forma muito privada e presidencial. Tem sido protagonista de muitas anedotas na sua relação com outros clubes de futebol espanhóis, jornalistas e políticos. Lobera, um empresário que fez fortuna em Sevilha nas décadas de 1960 e 1970 vendendo eletrodomésticos e trabalhando como credor, sempre foi um grande fã do Betis. Ingressou no conselho de administração do Betic pouco antes de o clube se transformar em sociedade anônima, em 30 de junho de 1992, mas ainda antes disso os jogadores lembram do personagem Lobera que dava TVs e dinheiro a jogadores de futebol como Cardenosa, Buesca, Javier Lopez, Rafael. Gordillo ou José Ramon Esnaola, heróis da primeira vitória do Betis na Copa del Rey em 1977, após uma final épica contra o Athletic de Iribar no gol (o Betis venceu nos pênaltis).

Lobera assumiu o cargo de vice-presidente econômico no conselho de administração do presidente Hugo Gallera em 1991 e se beneficiou da transformação do status do Betis em sociedade anônima de acordo com a Lei das Sociedades por Ações Esportivas de 1992. Tornou-se o maior acionista do Betis em Junho. 30, naquele ano após projetar uma imagem de salvador da entidade ao adquirir um grande pacote de contribuições. A seleção andaluza estava na segunda divisão. A intenção de Lobera era levá-lo à primeira divisão o mais rápido possível. Um compromisso que lhe custou duas temporadas, até Maio de 1994, quando o Bétis conseguiu a tão esperada promoção com Lorenzo Serra Ferrer no banco.

Começou então uma grande fase no esporte para o Bétis. Lobera se mostrou ao mundo como um presidente que investia constantemente em bons jogadores para fazer crescer seu time. O Betis terminou em terceiro em 1995, em oitavo em 1996 e em 1997 terminou em quarto, empatado com o Deportivo em terceiro. Além disso, disputou a final da taça, que perdeu no Santiago Bernabéu frente ao Barcelona de Vigo e Guardiola (3-2). Momentos de glória para Lobera, que contratou jogadores como Vidakovic, Garne, Fenedi e Alfonso Lebetis. O presidente tornou-se um ídolo para uma base de fãs que o adorava. O Betis jogou três temporadas na Europa (1995-96, 1997-98 e 1998-99) e chegou às quartas de final da extinta Copa das Copas em 1998, quando perdeu para o Chelsea.

O auge da gestão de Lobera ocorreu no verão de 1997, quando ele concluiu o maior negócio até então no futebol espanhol, o de Denilson, que pagou ao São Paulo 5 bilhões de pesetas, o que hoje equivale a cerca de 30 milhões de euros. O seu potencial económico era tão grande que emprestou dinheiro a Lorenzo Sanz, presidente do Real Madrid, para que o clube madrilenho pudesse concretizar algumas contratações. O Betis se tornou uma estrela, ao mesmo tempo em que travava batalhas de rádio muito intensas com outros chefes como Jesús Gil, em 1998 começou a perder peso. O Betis caiu para o segundo lugar em 2000, quando o Líder Supremo redesenhou o meio-campo de Benito Villamarin. Após votação popular, o nome do estádio foi alterado para Manuel Ruiz de Lobera.

O Betis subiu para a primeira divisão de forma dolorosa em 2001, com Sevilha e Tenerife na melhor segunda divisão de que há memória, ao lado do Atlético de Madrid, que não se classificou. Começou um período em que surgiu uma grande geração de jovens jogadores, liderada por Joaquín, cujo maior momento ocorreu em 2005, depois de terminar em sexto em 2002 e disputar a Taça UEFA no ano seguinte. Mais uma vez com a ajuda de Lorizo ​​​​Serra Ferrer no banco, e com os brasileiros Edu, Oliveira, Assunção e Dinilson acompanhando jovens como Dublas, Varela, Juanito, Capi, Arzu, Dani e o próprio Joaquín, o Betis conquistou a Copa del Rey em 2005. (2-1 contra o Osasuna) e terminou em quarto lugar no campeonato, sendo o primeiro time da Andaluzia a disputar a Liga dos Campeões na temporada 2005-06. A equipa do Sevilha ainda deixou para trás algumas noites lendárias e inesquecíveis, como a vitória sobre o Chelsea de Mourinho (1-0, golo de Dani), mas a partir da temporada 2005-06, o Bétis entrou numa deriva desportiva que Lobera não conseguiu reverter. Ele rebate. Ele já não era o presidente que o seu povo admirava em meados dos anos noventa. A sua forma de dirigir o clube não era compatível com a nova era do futebol que acabou por consumi-lo. Devido ao seu apego à posição e à força de suas ações, Lobera não conseguiu criar uma transição eficaz após seu longo período no poder no Betis. Longe da realidade, dirigiu o clube a partir dos seus gabinetes pessoais, sem ir ao Estádio Betic e até brigando com o então presidente da Junta Andaluza, Manuel Chávez.

Ao mesmo tempo, surgiu oposição à sua gestão pessoal e ele acabou comparecer à Justiça para denunciar os métodos de Lobera na liderança do clube. Com o time sofrendo de depressão esportiva, o rebaixamento para a segunda divisão em 2009, num significativo clima de protesto dos torcedores contra sua gestão, levou à sua condenação. Mais de 60 mil Petikos manifestaram-se em 15 de junho de 2009 para exigir a saída da entidade. Ele continuou por mais um ano no cargo em meio a forte pressão e, depois que o Betis não conseguiu ser promovido em 2010, vendeu seu pacote de ações em julho daquele ano ao empresário Louis Olivier por 18 milhões de euros. Um processo de venda foi paralisado pela Justiça depois que a juíza Mercedes Alaia interveio em favor do clube em resposta a uma reclamação de uma oposição cada vez mais poderosa. Após vários procedimentos judiciais, esta oposição conseguiu provar que Lobera se tornou o maior acionista do Betis de forma irregular em 1992, mas um acordo com os restantes acionistas em 2017 resolveu a sua relação com o clube.

O presidente do Betis, que treinou, entre outros, despediu-se de Sergio Krecic, Lorenzo Serra Ferrer, Luis Aragonés, Javier Clemente, Carlos Timoteo Grijol, Guus Hiddink, Faruk Hadzebegic, Fernando Vazquez, Luis del Sol, Juande Ramos, Victor. Fernández, Javier Irureta, Luis Fernández, Hector Cuper ou Francisco Chaparro. Com Lobera jogaram pelo Betis jogadores de futebol como Cuellar, Alexis, Roberto Reus, Pierre, Stosic, Alfonso, Fenidi, Garne, Denilson, Cañas, Merino, Ole, Joaquín, Oliveira, Cappi, Edu e Assunção. O protagonista de inúmeras histórias e situações estranhas da história do Bétis também se despede. Os exemplos incluem a invasão da casa do jogador Benjamin durante uma festa de jogadores na noite de Halloween de 2001, ou a violenta briga com José María del Nido, presidente do Sevilla, que colocou um busto seu na frente dele. Sua equipe na grande área no clássico da copa de 2007. O mesmo clássico em que Juande Ramos foi atingido por uma garrafa e levado em maca por Manuel Ruiz de Lobera. O homem também, que só pagava aos jogadores casados ​​com cheques do El Corte Inglés, que reunia os jogadores de futebol quando chegava a Feira de Sevilha e que negociava transferências até de madrugada em eternas reuniões onde não se servia comida para esgotar os agentes dos jogadores de futebol.

Você pode acompanhar o EL PAÍS Deportes em Facebook E éou cadastre-se aqui para receber Nosso boletim informativo semanal.





..

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *