Sanchez pede que Israel explique o “ataque brutal” que levou ao assassinato de sete membros da ONG Chef José Andres em Gaza | Espanha


A notícia da morte de sete integrantes da ONG chef espanhol José Andrés durante a distribuição de alimentos na Faixa chegou a Pedro Sanchez no meio de sua viagem à Jordânia especificamente para apoiar as organizações, especialmente a UNRWA, afiliada às Nações Unidas. O que ajuda os palestinianos em Gaza, na Cisjordânia e em toda a região, que sofrem como refugiados de conflitos. Na sua primeira intervenção pública, durante uma viagem de três dias à Jordânia, Arábia Saudita e Qatar, Sánchez começou a condenar especificamente o ataque e a exigir explicações de Israel. Esta viagem ajuda assim Sánchez a reforçar mais claramente a sua posição de rejeição retumbante aos bombardeamentos indiscriminados levados a cabo pelo governo de Benjamin Netanyahu. O presidente espanhol está a liderar esta posição dura contra Israel na União Europeia, e este ataque a uma ONG liderada por Espanha reforça a linha definida por La Moncloa, que levou Sánchez a fazer um discurso duro não só diante do próprio Netanyahu numa viagem para Israel. Mas numa conferência de imprensa na fronteira de Rafah, no Egito, o que causou uma crise diplomática com Tel Aviv. Em Amã, capital da Jordânia, rodeado por funcionários da UNRWA numa escola para meninas também financiada por 24 milhões de euros que Espanha irá atribuir este ano a esta organização da ONU, Sánchez foi firme ao exigir que o governo de Netanyahu “esclareça as circunstâncias desta organização da ONU”. ” “Ataque brutal” contra a ONG.

“Quero expressar o meu profundo pesar pela morte de tantos trabalhadores humanitários que morreram enquanto alimentavam pessoas no meio de tanta destruição. Estas pessoas não fizeram nada além de ajudar.” Os refugiados vivem graças à assistência da UNRWA, que alguns países decidiram, sob pressão de Israel, para congelar devido à sua acusação de estar ligada ao Hamas, algo que Espanha descartou desde o primeiro momento.

Sanchez ficou “horrorizado” com a morte de sete trabalhadores da ONG World Central Kitchen. Ele e o Ministro das Relações Exteriores, José Manuel Albarez, condenaram veementemente o ataque israelense e contataram o Chef José Andrés para transmitir suas condolências e apoio ao governo espanhol.

“Este campo de refugiados foi estabelecido há mais de 70 anos, em 1952”, explicou Sanchez nas instalações da escola para 1.400 meninas nos arredores de Amã. Estes dados ilustram o drama deste conflito que atravessa a vida de diferentes gerações. Foi planejado para acomodar 8.000 pessoas e agora abriga mais de 30.000 pessoas. Gostaria de prestar homenagem ao trabalho da UNRWA na Jordânia e em toda a região. É urgente que Israel permita que a ajuda humanitária chegue a Gaza, tal como solicitado pelo Tribunal Internacional de Justiça. O trabalho da UNRWA é insubstituível. Apoiamos todas as iniciativas. Anunciámos 23,5 milhões de euros em financiamento para 2024, além do ano passado, em que triplicámos a ajuda à Palestina. O presidente insistiu que “a Espanha fará tudo o que estiver ao seu alcance”.

Várias pessoas monitoram o estado de um veículo da ONG World Central Kitchen em Gaza.
Muhammad Saber (EFE)

O que mais afeta é o que acontece mais próximo. Para não perder nada, inscreva-se.

Participar

Sánchez usou o seu discurso inaugural durante a sua visita à Jordânia, Arábia Saudita e Qatar para demonstrar a posição espanhola no conflito: “Apelo à cessação definitiva das hostilidades e à libertação de todos os reféns. É urgente implementar o cessar-fogo solicitado pelo Conselho de Segurança da ONU na semana passada com um mandato obrigatório. Além disso, é necessário que seja permanente.” Sánchez sublinhou que “a Espanha sempre defendeu a solução de dois Estados” e que isso significa “o reconhecimento do Estado palestiniano” e o “reconhecimento total de Israel” por parte dos países árabes que ainda não o fizeram. O líder socialista visitou mais tarde a Cidadela de Amã, onde alguns turistas de Barcelona o aplaudiram e lhe agradeceram por “tudo o que faz pela Palestina”. Sánchez reuniu-se então com o rei da Jordânia, Abdullah II, que, segundo La Moncloa, tem uma posição muito semelhante à de Espanha e, de facto, é um dos poucos países da região que reconhece Israel desde 1994 e mantém relações permanentes contato com Israel. Ambos os lados do conflito. Segundo fontes governamentais, o rei Sánchez foi informado que a situação em Gaza é muito pior do que se poderia imaginar e que é urgente que a ajuda chegue por via terrestre, porque o ar e o mar não são suficientes. Além disso, na sua reunião, o rei jordano e o presidente espanhol concordaram sobre o risco de escalada regional se Israel continuasse a sua política de bombardeamentos indiscriminados, o que foi confirmado mais uma vez pelo assassinato de sete trabalhadores da ONG Chef José Andrés.

Deir al-Balah, Gaza – 2 de Abril: Um veículo gravemente danificado foi visto por funcionários que trabalham para a Assistência Voluntária Internacional.

Nathalie Buckle, Vice-Comissária Geral da UNRWA, agradeceu particularmente a Sanchez pelo seu apoio num momento em que a organização está sob severas críticas por parte de Israel e de alguns países aliados de Tel Aviv. “O apoio político espanhol e o seu papel activo na manutenção do apoio da UE à UNRWA são essenciais face aos ataques que procuram minar a vida dos refugiados palestinianos. Graças ao apoio de Espanha, poderemos continuar as nossas actividades até Junho. Tal como os espanhóis O Ministro das Relações Exteriores disse que a UNRWA é “uma luz de esperança para milhões de refugiados palestinos que não deve ser extinta, e um símbolo de que a comunidade internacional não os abandonou”. durante algum tempo, um grande apoio à posição espanhola, que se destaca no seio da União Europeia como a mais próxima dos palestinianos e da UNRWA. Na verdade, o presidente já tinha indicado no dia anterior, numa conversa informal com jornalistas, que o reconhecimento da Espanha de A Palestina chegaria “neste semestre”, antes do verão, e ele estava confiante de que outros países europeus fariam o mesmo.

No início de março, Albares anunciou uma doação excecional de 20 milhões de euros à Agência das Nações Unidas para os Refugiados Palestinianos, além dos 3,5 milhões de euros já aprovados em Conselho de Ministros. A decisão espanhola surge num momento “muito complexo” para a UNRWA devido à suspensão do apoio financeiro de 16 países, liderados pelos Estados Unidos, na sequência de uma denúncia de que dez dos 30 mil funcionários da agência estavam envolvidos nos ataques do Hamas a Gaza. 7 de outubro. Embora as Nações Unidas tenham rejeitado repentinamente os denunciados por Israel, o comissário-geral da agência, Philippe Lazzarini, confirmou que tinha apenas a informação “oral” que recebeu em 18 de janeiro e que foi aberta uma investigação independente.

O Presidente Europeu Sanchez tornou-se mais veemente sobre a guerra de Gaza, ao exigir publicamente um cessar-fogo imediato de Israel. Os bombardeamentos indiscriminados ordenados por Benjamin Netanyahu durante seis meses de guerra deixaram 32.500 mortos e 1,1 milhões de pessoas num estado de catástrofe alimentar. Esta linha aproximou o presidente espanhol não só de líderes latino-americanos como o brasileiro Lula ou o chileno Gabriel Buric, que visitou recentemente, mas também de países do mundo árabe, onde Sánchez procura aumentar a sua influência. Também causou tensões crescentes com Netanyahu, como vimos na viagem que o espanhol fez a Israel, à Palestina e ao Egipto em Novembro passado, acompanhado pelo primeiro-ministro belga Alexander De Croo. Nesta segunda passagem pela região, Sánchez busca especificamente fortalecer sua influência no mundo árabe e tentar ajudar na busca de uma saída para a guerra.

Em declarações à imprensa, Sánchez parecia optimista porque acredita que as posições de muitos países estão a mudar e nas próximas semanas poderá haver desenvolvimentos importantes em linha com a resolução do Conselho de Segurança da ONU. Espanha já tem tudo pronto para reconhecer a Palestina antes do verão, e Sánchez acredita que existe uma “massa crítica” na UE para o fazer não sozinha, mas com um grupo importante de países, embora existam outros, como a Alemanha. Está mais preparado e mais próximo das posições israelitas e não pensa em reconhecer a Palestina neste momento.

Inscreva-se para continuar lendo

Leia sem limites

_





..

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *