A guerra entre Israel e Gaza ao vivo | Os Estados Unidos apresentam uma resolução ao Conselho de Segurança da ONU pedindo um “cessar-fogo imediato” em Gaza | internacional


Sanchez vai à cimeira da UE confiante no apoio crescente à sua posição em Gaza

Na quinta-feira, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, participará no Conselho Europeu de Bruxelas, cujas conclusões o executivo espera que mostrem a crescente convergência dos parceiros da comunidade com a posição de Espanha sobre a situação em Gaza.

A crise humanitária em curso na Faixa, juntamente com a guerra na Ucrânia, será um dos temas da vigésima sétima cimeira, que se realizou menos de três meses antes das eleições europeias e tem uma agenda ocupada.

Gaza ocupará grande parte das discussões e fontes governamentais destacam a importância de os líderes abordarem esta questão, que Sánchez defenderá, enquanto se aguarda um acordo sobre os resultados, para um apelo à cessação das hostilidades. Seja na forma de um cessar-fogo ou de um cessar-fogo humanitário, para poder servir os cidadãos da Faixa.

A autoridade executiva reitera a sua condenação dos ataques do Hamas em 7 de Outubro e do direito de Israel de se defender e exigir a libertação dos reféns israelitas, mas sublinha que a catástrofe humanitária em Gaza deve acabar.

Por esta razão, saúda o lançamento do corredor marítimo, mas apela à importância da abertura também de corredores terrestres para que a ajuda humanitária possa chegar.

As referidas fontes consideram que é necessário que a União Europeia se posicione relativamente ao anunciado ataque terrestre israelita a Rafah, e tente por todos os meios impedir a sua ocorrência, alertando também que poderá ter consequências inimagináveis.

Ao mesmo tempo, defendem o apoio contínuo à Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina (UNRWA), considerando-a a única organização com capacidade real no terreno para distribuir ajuda humanitária de forma eficaz, rápida e urgente à comunidade internacional.

Esta é a posição que Sánchez assumirá perante o Conselho Europeu, juntamente com o seu compromisso com um processo político para alcançar uma solução de dois Estados, Israel e Palestina, que a Espanha também quer incluir nos resultados da cimeira.

Dada a posição de Israel, no mês passado o Primeiro-Ministro enviou uma carta assinada pelo seu homólogo irlandês Leo Varadkar (que se demitiu do cargo) à Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, na qual lhe pedia que analisasse se aquele país estava cumprir os seus acordos com a União Europeia em matéria de respeito pelos direitos humanos.

O governo espanhol aguarda uma resposta oficial a essa carta nos próximos dias e reitera a sua convicção de que a cimeira que terá início na quinta-feira provará que muitos países estão a avançar para a posição espanhola relativamente à situação em Gaza, em parte devido à catástrofe humanitária. No sector mas também devido à pressão de Espanha em Bruxelas.

Relativamente à Ucrânia, o Governo continua a destacar a necessidade de manter a unidade para apoiar este país face à agressão russa e fazê-lo com urgência, e sublinha também que esta cimeira demonstrará que a União Europeia renova este compromisso contra aqueles que nele acreditam pode fazer isso. Cheguei a um certo cansaço naquela assistência.

A pedido de Espanha e de outros Estados-Membros, os líderes europeus também abordarão a forma de responder às exigências dos agricultores, que se mobilizaram para denunciar os encargos burocráticos que suportam e a concorrência de mercados que consideram não sujeitos às mesmas exigências.

Antes de participar na cimeira, Sánchez participará na habitual pré-reunião dos líderes socialistas europeus, enquanto o líder do Partido Popular, Alberto Núñez Viejo, já está em Bruxelas para participar na reunião dos líderes do PPE.



..

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *