Juiz liberta motorista de caminhão investigado em colisão fatal envolvendo seis pessoas em posto de controle em Sevilha | Espanha


O Tribunal de Instrução nº 4 de Utrera (Sevilha) aprovou a libertação de um motorista de caminhão preso temporariamente por uma colisão fatal que matou seis pessoas em uma parada de trânsito em Sevilha, informaram fontes do Tribunal Superior de Justiça da Andaluzia. O juiz que estava de serviço na terça-feira, dia do acidente, ordenou a sua prisão por seis crimes de homicídio doloso e vários crimes de lesões graves, após pedido do Ministério Público. No entanto, o tribunal que finalmente julgou o caso anulou a decisão por não cumprir os requisitos do procedimento de privação de liberdade, que deve ser excepcional e proporcional aos crimes imputados. Por fim, foi ordenada a sua libertação e espera-se que o investigado deixe a prisão nas próximas horas. O motorista terá que comparecer em juízo nos dias 1 e 15, terá seu passaporte confiscado e ele ficará proibido de sair do território nacional.

O acidente ocorreu aproximadamente às 4h40 desta terça-feira, durante uma operação de vigilância antidrogas no quilômetro 25 da AP-4 em direção a Sevilha, região de Los Palacios. Entre os seis mortos estavam dois guardas civis e outros três agentes do mesmo órgão que também ficaram gravemente feridos. O motorista do caminhão carregado de tomates vinha do porto de Algeciras (Cádiz) e se dirigia a Guaruman (Jaén). Segundo fontes da investigação, o motorista, após receber instruções, fez uma “manobra repentina e estranha”, na qual desviou em direção ao acostamento onde pararam três veículos oficiais do Grupo de Ação Rápida (GAR) e três veículos civis. Ele ficou impressionado. O caminhoneiro confirmou, em depoimento perante o juiz, que não viu a vigilância, segundo fontes judiciais.

O Tribunal de Primeira Instância e Instruções nº 1 de Utrera, que estava de plantão, concordou nesta terça-feira que o investigado deveria ir para a prisão por seis homicídios imprudentes do artigo 142.1 do Código Penal, que estipula penas que variam de um a quatro anos. . Na prisão, vários crimes de lesões imprudentes ao abrigo da Secção 152.1, puníveis com pena de prisão entre três e seis meses. No entanto, o Tribunal nº 4 de Utrera, que finalmente julgou o caso, reconhece que no caso do acidente fatal ocorrido em Los Palacios, a medida de prisão provisória deve ser excluída porque se estes eventos forem considerados em última instância homicídio e lesões simples desde pois nos artigos 142.2 152.2 do Código Penal, a pena a ser aplicada será a multa e não a prisão.

O Supremo Tribunal de Justiça da Andaluzia apresentou vários excertos da decisão judicial. Nele, o juiz explica que embora recentemente tenha sido demonstrado que as violações no combate às drogas são consistentes com os crimes referidos pelo Ministério Público, “também não há orçamentos para adotar a necessária medida cautelar” de prisão preventiva, as fontes indicam. Essas suposições são de que existe risco de fuga ou obstrução da investigação, ou que a intenção é evitar que ele cometa um crime repetido. E acrescenta: “Deve-se ter em conta que a prisão temporária deve ser encarada como uma medida excepcional, subsidiária, necessária e proporcional (…) sabendo-se que neste caso os requisitos acima não foram cumpridos”. O juiz acrescenta que, como não há risco de fuga, não há destruição de provas nem risco de reincidência, e não é vista como uma medida proporcional, podem ser adotadas “outras medidas menos onerosas”.

Por isso, enviei ordem ao investigado para que abandonasse o Estabelecimento Penitenciário de Sevilha I, onde se encontrava desde terça-feira, e o obrigasse a comparecer nos dias 1 e 15 de cada mês, retirar o passaporte e encaminhá-lo para a prisão. Proibido de sair do país.

O que mais afeta é o que acontece mais próximo. Para não perder nada, inscreva-se.

Participar

Inscreva-se para continuar lendo

Leia sem limites

_



..

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *